Carregando...

terça-feira, 7 de agosto de 2012

A Árvore da Vida

Como disse meu amigo Guilherme de Carvalho, em sua excelente crítica, o filme "A Árvore da Vida" do cineasta e filósofo Terrence Malick é "uma das grandes obras-primas da história do cinema e uma das maiores peças de arte religiosa desde que a sétima arte foi inventada. E muita gente diria amém, seja pela sua qualidade técnica e artística, seja por sua profundidade espiritual" (Leia a crítica aqui). Amém e amém, Gui! Concordo também quando ele diz que: assistir “A Árvore da Vida” é como ir a um museu de arte, para ter a chance de prender a respiração e gastar em pensamentos e emoções na busca de uma experiência estética intencional.

O início do filme é de tirar o fôlego. O discurso profundamento teológico, as imagens e a música, se harmonizam de forma belíssima e enlevam nossos sentidos . Segue o texto de abertura sobre os caminhos da Natureza e da Graça:

"As freiras me ensinaram que existem dois caminhos na vida: o da Natureza e o da Graça. É preciso escolher qual deles seguir. A Graça não procura satisfazer a si própria. Aceita ser menosprezada, esquecida e que não gostem dela. Aceita insultos e lesões. A Natureza só quer satisfazer a si mesma. E fazer com que os outros a satisfaçam. Gosta de tiraniza-los e que façam sua vontade. Encontra razão para ser infeliz quando o mundo todo está feliz e o amor está sorrindo em todas as coisas. Elas nos ensinaram que quem ama o caminho da graça jamais terá um triste fim"
fonte: soli deo gloria

Nenhum comentário:

Postar um comentário