Carregando...

terça-feira, 21 de maio de 2013

DESOBEDECENDO À LEI


No Município de Xapuri existem alguns reeducandos com algum benefício da lei para permanecer fora do Complexo Prisional do Estado do Acre, desde que cumpram várias determinações judiciais impostas pela própria lei. 

São reeducandos em regime aberto ou e livramento condicional acusados dos mais variados crimes e que tiveram o benefício de cumprir as suas penas fora do presídio.

Contudo, na madrugada do último domingo dia 19 de maio de 2013, por volta das 00:05 minutos, a guarnição da Polícia Militar de Xapuri que realizava policiamento no Centro da Cidade, mais precisamente em frente da Boate Mirantes Bar, flagrou quatro reeducandos desrespeitando a lei de execuções penais e a decisão judicial que foi imposta, quais sejam, de recolherem-se às suas respectivas residências às 19h e não frequentar bares, casas noturnas e similares.

Dois dos reeducandos foram abordados pela guarnição e informados que seriam notificados. Os outros dois não foram abordados pois estavam no interior do Mirantes Bar.

No início do ano, dia 06 de fevereiro de 2013, o Promotor de Justiça, Bernardo Fitermam Albano realizou uma ação de acompanhamento dos reeducandos que tinham restrições impostas pela justiça. Na ocasião as residências dos apenados foram visitadas pelo Promotor com apoio da Polícia Militar com o objetivo de verificar se eles estavam cumprindo com as suas restrições judiciais. Para a surpresa de todos, nenhum dos apenados foi localizado em suas respectivas residências após o horário de recolhimento imposto pelo judiciário acriano.

É importante observar que mesmo após às ações do início do ano, os apenados parecem não se importar com que possa acontecer com eles ou talvez tenham a certeza que nada irá acontecer-lhes. Seguem desafiando o judiciário acriano e os órgãos de fiscalização.

A Polícia Militar de Xapuri está atenta aos casos de desobediência das pessoas que cumprem pena em regime aberto ou estejam em livramento condicional e fará o possível para que essas pessoas possam realmente pagar o que devem a sociedade. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário