Carregando...

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

A alegria e o humor dos cristãos


“Alegrai-vos sempre no Senhor; repito, alegrai-vos!” Esta ordem que Paulo deixou como legado à Igreja, algumas vezes é esquecida. Não raramente, as pessoas pensam ser a alegria incompatível com a vida entregue a Deus; criam na sua fantasia um protótipo de cristão que não condiz com a realidade: extremamente sério, até mesmo carrancudo, fechado, que nunca brinca nem ri jamais.

Entretanto – não apenas a alegria! –, humor e fé não são incompatíveis! Rir é próprio do homem – alguém já viu um cachorro rir? Filosoficamente, podemos concluir: se o homem é imagem de Deus, logo o riso também é um “atributo” divino. Por isso, o humor é uma coisa séria demais para ser confiada aos piadistas ou “desfrutado” apenas pelos não-crentes. A alegria é necessária ao cristão! Jesus mesmo disse: “Que a minha alegria esteja em vós e que a vossa alegria seja completa” (Jo 15,11). E por muitas vezes o tema da alegria é retomado nas Escrituras! 

Humor, o que é?

O Dicionário Larousse dá uma boa definição do humor: “Forma de espírito que se ocupa a denunciar sem acusar e com aparente impassividade os aspectos engraçados, insólitos ou absurdos da realidade que parece a mais normal possível”. O humor, na verdade, é aquele refinamento que torna o homem mais agradável aos seus semelhantes e é uma excelente prevenção contra a angústia. Diante de uma situação difícil, temos duas opções: nos distanciar um pouco e rir, ou ficar presa a ela e nos angustiar. Há coisas bem sérias que devem ser tratadas como tais, mas muitas das que damos essa classificação não a merecem se as olhamos do alto.

A alma humana é imensa, por isso é tão fácil ao homem se enrolar nos problemas, por não conhecê-la tanto. O humor é um remédio contra isso, dá leveza à vida e faz apreciar as coisas de forma mais colorida; ajuda-nos a tomar certa distância dos problemas: de longe, as colinas não têm mais aparência de montanhas, então compreendemos o que verdadeiramente tem importância e o que não tem. É o Espírito quem nos ajuda a manter a distância adequada.

É importante dizer também que o cristão exclui o humor negro, se é muito pesado, porque para ele o mundo não tem nada de absurdo. Por está unido a Deus, permanece firme na esperança e sempre crê que tudo pode melhorar.

O humor é diferente da ironia, que ridiculariza; ao contrário, combina com a indulgência e a benevolência.
Na vida cristã, o humor está ligado ao discernimento e ao bom-senso. Por isso, é preciso pedi-lo a Deus e aprender a exercer o humor, antes de qualquer coisa, a respeito de si mesmo. O humor dá clareza ao olhar, o senso real da vida, coloca as coisas em seu devido lugar.

Casos para rir

Conto agora algumas histórias que mostram o quanto é gostoso apreciar a vida com humor.

Winston Churchill assistiu à inauguração de sua própria estátua. “Que impressão você teve?”, perguntou um amigo. “Só posso dizer uma coisa – respondeu ele –, a partir de agora, vou olhar os pombos de um outro ângulo”.

Um dia, um irmão chamou Tomás de Aquino: “Venha rápido à janela, irmão Tomás, um elefante voa! Tomás correu à janela e todos riram de sua ingenuidade. São Tomás respondeu: “Prefiro acreditar que um elefante seja capaz de voar do que imaginar que um religioso possa mentir”.

Falando sobre a ressurreição de Lázaro, que intrigou o povo a ponto de tramar seu assassinato, Santo Agostinho diz: “Oh cogitação infeliz e furor cego! Se Jesus pôde ressuscitar um morto, por que não poderia ressuscitar um assassinado?”

via http://reformandome.blogspot.com.br/2012/11/a-alegria-e-o-humor-dos-cristaos.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário