Carregando...

terça-feira, 5 de agosto de 2014

A REFINARIA DE MENTIRAS DA FOLHA DE S. PAULO

Que vergonha a Folha de S. Paulo escrevendo um editorial mambembe, tergiversando de forma matreira, tentando deslocar o foco da farsa da CPI da Petrobras, sem contar que põe em causa a reportagem da revistaVeja que revelou à Nação uma barbaridade que chega a ser grotesca.
Espremendo bem esse editorial que transcrevo após este prólogo, sobra para o Poder Legislativo, que é geni. Ora, o Poder Legislativo é uma instituição democrática fundamental. Não se trata, no que tange à manipulação da CPI, de atirar pedras no Poder Legislativo que é uma expressão mais eloquente da democracia num Estado de Direito Democrático.
O editorialista da Folha de S. Paulo é, acima de tudo um cínico, um mentiroso que sonega a verdade do que ocorreu e está ocorrendo no Congresso Nacional, todo ele aparelhado pelo PT. Todos sabem que o Legislativo vem sendo demolido desde o dia em que Lula subiu a rampa do Palácio. E, para jogar a pá de cal, a Dilma recentemente assinou o famigerado decreto bolivariano 8.243 que cria os "sovietes", ditos conselhos populares que definirão as políticas públicas. Ou alguém acredita que o PT é um partido democrático?
A instituição, o Poder Legislativo, é pura, quem a conspurca são os homens! E nunca, na história deste país, o Legislativo foi tão enxovalhado commo na útima década para servir aos apetites de poder sem limites do PT.
Diga isto, editorialista da Folha de S. Paulo! Diga a verdade que todo mundo sabe qual é! 
O que acaba de ocorrer com a farsa da CPI, montada pelo governo do Lula, da Dilma e seus sequazes é um crime! Num país verdadeiramente democrático e sério seria imediatamente aberto um processo deimpeachment contra a Dilma, haja vista que o esquema todo partiu de dentro do Palácio do Planalto, como é acintosamente evidente na reportagem da revista Veja.
Simples assim. Diz o velho adágio que quem não deve não teme. E o governo do PT está fazendo o diabo para esconder a maior falcatrua da história da Petrobras, toda ela aparelhada pelo PT. O caso da negociata bilionária de Pasadena que avariou as finanças da estatal é um uma afronta ao povo brasileiro e por isso mesmo terá, sim, um impacto decisivo na eleição presidencial, impacto esse que a Folha de S. Paulotenta minimizar a ponto de implicitamente questionar "se" a reportagem de Veja é fiel aos fatos.
A Folha há muito tempo deixou de honrar o seu slogan "Um jornal a serviço do Brasil”. Tornou-se um jornal a serviço do PT e seus acólitos. Esta é a verdade que salta imediatamente aos olhos de que acompanha diariamente esse jornal.
E para não dizerem que estou inventando coisas, transcrevo na íntegra o citado editorial, cujo título é “Refinaria de mentiras”. Leiam:
"O enfrentamento de governo e oposição em palcos como a campanha eleitoral e as comissões parlamentares de inquérito têm, vez ou outra, a utilidade de balançar as cortinas que ocultam os bastidores de grandes negociatas.
A propaganda política ainda conta com efeitos especiais para tapar as frestas abertas, mas esse recurso nem sempre está à disposição nas CPIs ­­e o que se vê é um espetáculo mambembe, em que raramente alguém sai nocauteado.
O caso Pasadena não representa exceção à regra, como indica a fraude noticiada pela revista "Veja". Se confirmada a armação comentada por funcionários da Petrobras no vídeo que serve de base à reportagem, chega­se muito perto da total desmoralização das CPIs.
As imagens mostram o chefe do escritório da Petrobras em Brasília e um advogado da empresa. Eles trocam informações sobre formas seguras de fazer chegar perguntas preparadas pelo governo a depoentes na comissão do Senado.
O "gabarito" teria sido contrabandeado pelo senador José Pimentel (PT­CE) à atual presidente da Petrobras, Graça Foster, ao ex­presidente da estatal José Sérgio Gabrielli e ao ex­diretor da área internacional Nestor Cerveró.
No vídeo, afirma­se que as questões combinadas foram obra de Paulo Argenta, assessor da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República.
A compra da refinaria nos EUA, vale lembrar, subiu à condição de escândalo com ajuda da presidente Dilma Rousseff (PT). Ela, que presidia o conselho da Petrobras à época da malfadada transação bilionária, buscou eximir­se de responsabilidade pelo fiasco atribuindo sua aprovação a um parecer malfeito.
A manobra estimulou a conjectura de que, para além de incompetência da direção da estatal, tenha havido irregularidade e má­fé no prejuízo causado pela aquisição.
Sob pressão, o Congresso criou duas CPIs para o caso, e em ambas o Planalto fez de tudo para manter o controle. Na primeira, no Senado, garantiu sólida maioria ­­e, mesmo assim, terá sentido a necessidade de manipular depoimentos.
Na CPI mista aberta em seguida, o governo petista instalou como presidente o mesmo condutor da comissão do Senado, Vital do Rêgo (PMDB­PB). Para relator elegeu o fiel deputado Marco Maia (PT­RS), garantia de poder sobre pauta e agenda de testemunhos.
Todo esse empenho é decerto proporcional à gravidade ainda mal vislumbrada do escândalo Pasadena e seu potencial de dano nas urnas. O Legislativo, porém, mais uma vez se contenta com encenar uma pantomima subserviente."
Fonte: blog do aluizio amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário