Carregando...

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Descoberta científica coloca em causa os mitológicos “milhões de anos”

Publicado 

A descoberta de restos de dinossauro muito bem preservados, por parte de pesquisadores Canadianos, provou ser um desafio directo às pressuposições evolutivas de longa data.
Pele_DinossauroEm Junho do ano passado, um grupo de cientistas afiliados com a “Canadian Light Source” (CLS) – equipa de pesquisa primordialmente dedicada ao estudo da composição da matéria através da ciência sincroton – desenterrou um fascinante fóssil de dinossauro na parte ocidental de Alberta [Canadá]. Para espanto da maioria dos pesquisadores, um muito bem preservado pedaço de pele de dinossauro encontrava-se ligado ao fóssil de hadrossauro.
Um dos pesquisadores da equipa, Mauricio Barbi (físico da Universidade de Regina), ficou entusiasmado com a descoberta, comentando que o espécime pode muito bem ser a chave para se aprender mais sobre a aparência do dinossauro:
Se formos capazes de observar os melanossomas e a sua forma, isso será a primeira vez que os pigmentos serão identificados na pele do dinossauro. Não temos qualquer tipo de ideia concreta em torno da aparência da pele. Já foram feitas pesquisas que provaram a cor de algumas penas de dinossauro, mas nunca da pele.
O Dr. Barbi quer também aprender mais sobre a teorética evolução dos hadrossauros a partir do estudo deste fóssil particular:
Ao mesmo tempo que usamos a tecnologia de ponta para entender a estrutura interna destas coisas, isso pode contribuir para o entendimento dos nossos animais, e da forma como eles evoluíram [sic].
Entretanto, à medida que alguns cientistas se encontram em êxtase com as implicações desta descoberta, outros estão a colocar questões básicas: Como é que esta pele de dinossauro – que, segundo os modelos evolutivos, tem no mínimo 60 milhões de anos – pôde permanecer intacta sem entrar em decomposição? Muitos criacionistas Bíblicos  dizem que a resposta é simples: Ela nunca poderia ter permanecido intacta tanto tempo.
Brian Thomas, escritor científico para o “Institute for Creation Research” (ICR), publicou recentemente um artigo para o IRC, onde ele detalha o porquê de ser um absurdo acreditar que a pele de dinossauro como esta poderia ter sobrevivido milhões de milhões de anos:
Quem, se entrasse num quarto e se deparasse com uma vela acesa, iria procurar as “condições especiais” que haviam permitido que a vela permanecesse acesa durante milhões de anos? Não faria muito mais sentido questionar primeiro durante quanto tempo é que a vela poderia ficar acesa antes de se apagar?
Numa entrevista com a “Christian News Network”, Thomas explicou que a pele é primariamente composta por colágeno, uma proteína resistente e insolúvel.  Apesar desta
resistência, testes rigorosos demonstraram que o colágeno (tal como as outras proteínas), decai de modo constante com o passar do tempo, e – mesmo num cenário “ideal” – nunca poderia ter durado mais do que um milhão de anos. De facto, e segundo condições realistas, o tempo máximo da vida do colágeno está mais perto dos 300,000 anos.
Dada a taxa de decaimento constante das proteínas, Thomas comparou o colágeno na pele do dinossauro com um temporizador de ovo:
Quando o temporizador “faz barulho”, já não deveria haver algum tipo de pele. Mesmo que ela se encontrasse embutida numa rocha, ela tornar-se-ia em pó bem no meio da rocha devido à natureza da sua química- Portanto, o temporizador deveria ter feito “barulho” muito antes dos milhões de anos que os evolucionistas atribuíram a este tipo de fósseis.
Embora achados tais como os de Alberta sejam raros, Thomas mencionou que já ocorreram várias outras descobertas de tecido macio e proteínas em fósseis que têm supostamente “milhões de anos”. Uma lista  do site do ICR documenta numerosos artigos revistos por pares que relatam tais descobertas.
Thomas disse também que uma melhor explicação para a existência deste restos de animais é o modelo da Terra Jovem. Segundo este modelo, fundamentado nas Escrituras, a maior parte dos dos fósseis de dinossauro foram enterrados durante o Grande Dilúvio que ocorreu há cerca de 4,400 anos.
Apesar disto, e apesar da montanha de evidências contrárias, Thomas ressalvou que os evolucionistas irão, de modo dogmático, alegar que os restos destes animais têm milhões de milhões de anos:
Isso é algo que eles fazem, fizeram, e irão fazer.
via http://darwinismo.wordpress.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário