Carregando...

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Como o PT usa a violência psicológica e a histeria artificial para enganar seus adversários políticos


bullying_700
Um leitor de meu blog citou um diálogo fictício (mas realista) muito interessante. Preciso reaproveitá-lo aqui.
Nesse diálogo, o petista (mas poderia ser qualquer um de suas linhas auxiliares) se defronta com o seu oponente:
– Tire a roupa agora que irei democratizar seu c…
– O quê? Espere. Vamos conversar, senhor? Isso até parece o que chamam de (com todo respeito) estupro.
– Mas que absurdo! O que é isso? O que é isso aqui? Caluniador! Difamador! Iremos processar você por discurso de ódio! Veja o quanto ele é agressivo! Para que tanto ódio contra os nordestinos? Xenófobo!
– Desculpe-me, mas acho que fui mal interpretado.
– Não tem desculpa. Abaixe as calças e irei democratizar seu c… agora. Se não, você irá sofrer as consequências legais cabíveis!
– Ok…

Guardadas as devidas proporções, foi mais ou menos isso o que aconteceu com o recuo de Aécio Neves após o famoso debate do SBT.
Ele havia sido agredido via Internet, acusado de agredir sua esposa. Nenhuma prova foi apresentada. Para o PT isso não importava. Em ação coordenada com essa propaganda de esgoto, Dilma deu várias indiretas em debates, como citar a Lei Maria da Penha. Tudo com intuito de desestabilizar o oponente. De repente, ela puxou da cartola mais um ataque pérfido, dizendo que “Aécio mandou construir aeroporto em terras da família”, tão mentiroso quanto ilógico, pois as terras foram desapropriadas.
Diante de baixarias assim, ele se limitou a chamá-la de leviana.
A campanha do PT, cinicamente, percebeu que eles poderiam continuar se aproveitando da propaganda chamando-o de agressor de mulheres, bem como do fato de que em algumas regiões o termo leviana às vezes é compreendido como prostituta. Na verdade, o termo significa “imprudente”. Um verdadeiro afago diante de tantas baixarias praticadas contra ele.
O que ocorreu? Apenas o óbvio, considerando que Aécio não estava preparado para lidar com psicopatas que misturam histeria artificial e violência psicológica.
Chegou o momento em que nós temos que criar uma cultura com foco em debater com pessoas que dissimulam como os mais frios psicopatas. Foi por isso que disse, logo no início do primeiro turno, que a habilidade para lidar com psicopatas iria definir esta eleição.
Uma pena que tal habilidade não foi exercitada por Aécio Neves. Por isso, o partido que praticou as maiores agressões e baixarias da história da política brasileira conseguiu se sair como vítima e capitalizou.
A moral psicopática, sistema moral assimilado a partir dos ensinamentos de Lenin e Trotsky, cria seres humanos com um diferencial competitivo poderosíssimo na política: a capacidade de mentir como um psicopata, enquanto seus adversários simplesmente “travam” diante de tanta encenação hipócrita.
Edmund Burke disse: “Para que o mal prevaleça, basta que as pessoas de bem não faça nada”.
Mas apenas fazer algo não adianta. É preciso ter a capacidade de lutar contra mentes perversas.
A luta pela conscientização de que eles agem assim de forma deliberada, e de que precisamos reagir para neutralizar todas as chantagens emocionais, deve se tornar uma de nossas prioridades em termos de aprendizado.
Fonte: http://lucianoayan.com/2014/10/30/como-o-pt-usa-a-violencia-psicologica-e-a-histeria-artificial-para-enganar-seus-adversarios-politicos/

Um comentário:

  1. Para falar a verdade,nem sei de onde ele tirou forças para debater com ela...Bom,não debateu,pois ela não respondia,ficou usando o recurso que todo indivíduo treinado para ser teleguiado comunista emprega,desviou a resposta para ataque.Eu nunca poderia ter falado com ela.Ia presa.

    ResponderExcluir