Carregando...

sábado, 11 de abril de 2015

A ESCANDALOSA E CRIMINOSA TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DO BNDES PARA BENEFICIAR DITADURAS COMUNISTAS E EMPREITEIRAS BRASILEIRAS NO EXTERIOR

Na sequência três obras financiadas com recursos dos BNDES: porto de Mariel em Cuba, via-expressa em Luanda, Angola e ponte sobre o rio Orinoco, na Venezuela. Lá no site von Mises, estão as fotos de 20 obras gigantescas de infraestrutura custeadas com recursos que pertencem ao povo brasileiro. É um indecência, quando se sabe que o Brasil está esse lixo e o governo do PT não investe um tostão em obras urgentes aqui no Brasil. Trata-se, é claro, de lavagem de dinheiro. Chegou a hora de por um fim a tudo isso! Fora PT! 
Transcrevo aqui parte da matéria do site do Instituto Ludwig von Mises Brasil, com link para leitura completa que faz um levantamento, inclusive com fotografias, das obras financiadas com recursos do BNDES no exterior, justamente em países como Venezuela, Cuba, Argentina, Nicarágua e ditaduras africanas comunistas, como Angola, por exemplo. Coincidentemente, as obras foram realizadas por empreiteiras brasileiras que também estão envolvidas no petrolão. Incrível é que o "primeiro-ministro" da Dilma, o Michel Temer, esteja em campo no Congresso para impedir a criação da CPI do BNDES destinada a investigar tudo isso, o que por si só já é um ato criminoso de lesa Pátria. Leiam e visitem o site do Instituo Ludwig von Mises Brasil que vale a pena. Informação de primeira qualidade:
Não é novidade para ninguém que o Brasil tem um problema grave de infraestrutura.
Diante dessa questão, o que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) faz? Financia portos, estradas e ferrovias — não no Brasil, mas em diversos países ao redor do mundo.
Desde que Guido Mantega deixou a presidência do BNDES e se tornou Ministro da Fazenda, em abril de 2006, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social tornou-se peça chave no modelo de desenvolvimento proposto pelo governo.
O BNDES, quando despido de toda a propaganda ideológica, não passa de uma perniciosa máquina de redistribuição de renda às avessas.  Uma vez que você entende como realmente funciona este suposto banco de desenvolvimento, torna-se claro seu mecanismo espoliativo.
Originalmente, os recursos do BNDES eram oriundos do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador — fundo destinado a custear o seguro-desemprego e o abono salarial).  Só que, dado que os recursos do FAT advêm das arrecadações do PIS e do PASEP, na prática os recursos do BNDES eram originados dos encargos sociais que incidem sobre a folha de pagamento das empresas.  Esse dinheiro era então direcionado para as grandes empresas a juros subsidiados.
Este arranjo, por si só, já denotava um grande privilégio.  Por que, afinal, as pequenas empresas devem financiar os juros subsidiados das grandes empresas?
O problema é que essa matriz, já ruim, foi alterada para pior a partir de 2009.  Se antes o BNDES se financiava exclusivamente via impostos, agora ele passou a se financiar também via endividamento do Tesouro, o que significa que ele se financia via inflação monetária.
Funciona assim: como o BNDES não tinha todo o dinheiro que o governo queria destinar a seus empresários favoritos — como o multifacetado Senhor X —, o Tesouro começou a emitir títulos da dívida com o intuito de arrecadar esse dinheiro para complementar os empréstimos. 
E quem compra esses títulos?  O sistema bancário.  Como ele compra? Criando dinheiro do nada, pois opera com reservas fracionárias
O gráfico a seguir mostra a evolução dos empréstimos do BNDES, atualmente com um saldo de R$615 bilhões.  Observe a guinada ocorrida em meados de 2009, quando essa nova modalidade foi implantada. Clique AQUI para continuar lendo esta matéria
O gráfico a seguir mostra a evolução dos empréstimos do BNDES, atualmente com um saldo de R$615 bilhões.  Observe a guinada ocorrida em meados de 2009, quando essa nova modalidade foi implantada:
Clique sobre a imagem para vê-la ampliada
Fonte: blog do aluizio amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário