Carregando...

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Trump e o papa: um populista de direita (hoje) em conflito com um populista de esquerda

Julio Severo
Na sua visita ao México, o Papa Francisco disse que não era cristã a atitude de Donald Trump, candidato presidencial pelo Partido Republicano, de cercar os Estados Unidos com um muro que impedisse a entrada de imigrantes ilegais.
Trump rebateu dizendo que o líder máximo dos católicos do mundo é uma vergonha — evidentemente pelas posturas esquerdistas.
Francisco não quer um muro cercando os EUA e mantendo os imigrantes de fora, mas o próprio Vaticano é cercado 100% por uma muralha que impede a entrada de todos os imigrantes ilegais, especialmente de invasões islâmicas.
Se Francisco está preocupado com os imigrantes, por que ele não os leva para o Vaticano? Por que ele não derruba as muralhas do Vaticano e deixa claro que todos os imigrantes ilegais, especialmente os muçulmanos, são bem-vindos ali?
A política do Vaticano, conforme denunciou o escritor católico Cliff Kincaid, tem sido facilitar invasões de imigrantes nos EUA e na Europa, pois a Igreja Católica tem convênios financeiros com governos para ajudar os imigrantes, de modo que quanto maior for a invasão de imigrantes, mais dinheiro a Igreja Católica recebe.
É óbvio que Francisco é um populista de esquerda, embora ele seja pró-vida e pró-família. É igualmente óbvio que Trump é um populista de direita, embora ele não tenha um histórico pró-vida e pró-família.
As promessas fantásticas de Trump que o consagram como populista de direita:
1. Ele prometeu banir imigrantes muçulmanos dos EUA. Essa é uma promessa excelente.
2. Ele prometeu abrir as portas dos EUA para os imigrantes cristãos perseguidos pelos muçulmanos do mundo. Essa é uma promessa excelente.
3. Ele publicamente demonstra admiração por Vladimir Putin, o presidente da Rússia, e prometeu relações melhores com a Rússia. Ele é o único candidato americano que vê o islamismo, não a Rússia, como principal ameaça.
Em suas promessas, Trump é uma lufada de ar fresco na política americana.
Os outros candidatos republicanos, especialmente os neocons, vociferam paranoicamente contra a Rússia, colocando-a como a principal ameaça do universo. De modo oposto, Trump vocifera contra os islâmicos, colocando o islamismo como tal ameaça e prometendo melhor relacionamento e amizade com a Rússia.
Os outros candidatos republicanos, especialmente os neocons, prometem maiores medidas para conter os russos. De modo oposto, Trump promete maiores medidas para conter os islâmicos e maior abertura para a Rússia.
Os outros candidatos republicanos, especialmente os neocons, não vociferam contra os crimes islâmicos contra os cristãos. Trump faz isso.
Os outros candidatos republicanos, especialmente os neocons, querem intervenções americanas na Síria e apoiam os melhores interesses da Turquia e Arábia Saudita na Síria. Ambas nações islâmicas têm apoiado os melhores interesses do ISIS e outros grupos terroristas islâmicos que têm sido os principais responsáveis pelo sofrimento e morte de cristãos na Síria, que tem uma das comunidades cristãs mais antigas do mundo. Trump é o único candidato republicano que tem expressado preocupação com os cristãos sírios acima dos melhores interesses da Turquia e Arábia Saudita. Aliás, ele é o único candidato republicano que tem apoiado a intervenção russa na Síria para combater o ISIS e proteger os cristãos.
Os outros candidatos republicanos, especialmente os neocons, vociferam contra as posturas pró-Rússia e anti-islâmicas de Trump.
Então, Trump é totalmente diferente dos outros candidatos republicanos, que são paranoicos sobre a Rússia, não sobre a ameaça islâmica. Se Trump se tornar presidente, os neocons anti-Rússia e pró-islamismo ficarão profundamente abalados e decepcionados.
Trump é presbiteriano e não é conhecido como um homem espiritual, mas suas promessas sobre deter a ameaça islâmica enfureceram a liderança da Arábia Saudita, que já declarou que Trump não pode se tornar presidente, e o tornam melhor do que a maioria dos presbiterianos dos EUA.
Contudo, ele perde para o papa em questões pró-vida e pró-família. Além disso, Trump nunca colocou em prática suas promessas fantásticas.
Se por um milagre Trump conseguir, depois de eleito, se tornar um homem pró-vida e pró-família que ele nunca foi em toda a sua vida, ele será o presidente perfeito. Um relacionamento mais amistoso com a Rússia e muito menos amistoso com ditaturas islâmicas é tudo o que o mundo precisa, e nisso Trump está absolutamente certo.
Agora, fica difícil escolher entre um populista de direita (hoje) que é pró-Rússia e anti-islamismo e um populista de esquerda que é pró-vida e pró-família e quer invasões muçulmanas nos EUA e na Europa, mas não no Vaticano.
Apoio o populismo pró-Rússia e anti-islamismo (cujas promessas só existem no papel) de Trump.
E apoio o populismo pró-vida e pró-família do Papa Francisco.
Ambos precisam aprender questões políticas um com o outro.
Sobre a acusação do papa de que Trump não é cristão, quem é que pode garantir que o papa é cristão?
Cristianismo real não é populismo nem de esquerda nem de direita. Cristianismo real é conhecer Cristo e pregar e demonstrar o Evangelho do Reino de Deus, curando os enfermos, expulsando demônios e libertando os cativos, tudo no nome de Jesus e pelo poder do Espírito Santo.
Nem o papa nem Trump parecem conhecer esse Cristianismo, que era pregado e vivido por Jesus e seus apóstolos.
Só Deus sabe se ambos virão a conhecer e viver tal Evangelho algum dia.
Só Deus sabe se Trump cumprirá suas promessas pró-Rússia e anti-islamismo.
Só Deus sabe se Trump cumprirá suas promessas de priorizar a entrada imigratória nos EUA de cristãos perseguidos.
Só Deus sabe se Trump, que era um populista esquerdista no passado, será no futuro o populista direitista que ele é hoje.
E quanto ao envolvimento do papa nas eleições americanas? Não sei o que resultaria disso. Mas os católicos americanos, principalmente os imigrantes, preferem votar em candidatos esquerdistas, muitas vezes colocando questões socialistas e populistas acima de questões pró-vida. A maioria dos católicos votou em Obama, um populista esquerdista que tem sido extremamente “generoso” com imigrantes católicos e muçulmanos.
Como um populista direitista, disposto a construir um muro que impedirá a imigração ilegal e muçulmana, provavelmente Trump não receberá apoio do papa e da maioria de suas ovelhas americanas.
Provavelmente, ele também não receberá apoio de líderes pró-vida, a menos que ele fale com clareza e força sobre questões pró-vida e pró-família do jeito que ele tem falado sobre questões islâmicas.
Se até o papa escolheu ser um populista pró-vida de esquerda, por que Trump não pode escolher ser um populista pró-vida de direita?
Muralha do Vaticano
Seja como for, o papa tem uma muralha enorme ao redor do Vaticano para proteção contra imigrantes ilegais e invasões islâmicas. Por que Trump não pode construir uma muralha enorme ao redor dos EUA para o mesmo objetivo?
Leitura recomendada:

Nenhum comentário:

Postar um comentário