Carregando...

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Rebelião em presídio boliviano registra um brasileiro morto e vários feridos


Familiares de brasileiros clamam por ajuda de autoridades brasileiras e temem mais assassinatos
Alexandre Lima e Almir Andrade
Em cobija, Hospital Roberto Galindo,pra onde as vítimas brasileiras foram levadas
Em Cobija, Hospital Roberto Galindo,pra onde as vítimas brasileiras foram levadas e familiares esparavam notícias
O presídio Villa Bush, localizado no departamento (Estado) de Pando, distante cerca de 20 quilômetros e que tem como capital a cidade de Cobija, foi palco de uma quase carnificina humana praticada por cerca de 120 detentos bolivianos, contra cinco brasileiros apenas.
Penitenciária de Villa Bush, distante cerca de 20 km da capital de Pando, Cobija - Foto: Arquivo
Penitenciária de Villa Bush, distante cerca de 20 km da capital de Pando, Cobija – Foto: Arquivo
Como resultado, um brasileiro de Rio Branco identificado apenas pelo apelido de “LEKE”, foi brutalmente espancado até a morte e poderá ser enterrado como indigente. A vítima foi assassinada a golpes de pau e  terçado (facão) e teve sua cabeça praticamente esfacelada, morrendo dentro do presídio.
Segundo familiares dos brasileiros, tudo começou por volta das 23:30 de segunda-feira, dia 11, e terminou por volta das 3:00 da madrugada desta terça-feira, sem qualquer interferência por parte dos policiais do presídio, que ficaram inertes por horas, a não ser no momento para retirar àqueles que estavam caídos no chão depois de muito apanhar.
Denunciam ainda que, com a conivência dos policiais, tudo entra no presídio sem qualquer problema, desde que seja pago uma quantia. “Qualquer 100 bolivianos (cerca de 35 reais), é o passe para que bebidas, drogas e armas branca (faca) entrem sem que seja visto”, denuncia um dos parentes.
Odailton ficou bastante ferido e sequer foi limpo no hospital onde ficou algemado à cama
Odailton ficou bastante ferido e sequer foi limpo no hospital onde ficou algemado à cama. No fundo, Antonio foi furado por faca. – Imagens cedidas
Um dos parentes e uma das esposas relatou momentos de terror desde quando começou. “Foi horrível e me sentir impotente diante de tanto descaso por parte dos policiais. Eles não faziam nada para ajudar ou tentar impedir e só nos restavam ficar ouvindo os gritos de socorro e barulho que era terrível”, disse.
Completou dizendo; “Após horas de gritaria e espancamento, foi a vez dos policiais entrar jogando gás lacrimogêneo e bater nos brasileiros. Quando saiam carregando os feridos com braços quebrados, furado de faca e com marcas pelo corpo de tanto apanhar, novamente eram espancados. Foi horrível!”, finalizou.
Gabriel foi atingido por várias pauladas na cabeça e corpo, além do braço quebrado.
Gabriel foi atingido por várias pauladas na cabeça e corpo, além do braço quebrado. – Imagens cedidas
O atendimento no hospital Roberto Galindo foi outro detalhe. Os feridos sequer receberam os primeiros socorros, onde apenas um pedaço de gaze para cobrir o ferimento e um soro foi disponibilizado aos gravemente machucados e nem mesmo foram limpos.
Dois dos feridos, que sofreram cortes na cabeça e um dos braços quebrados a golpes de madeira, sequer tiveram os ferimentos limpos. Familiares contam que, foram retirados do hospital com apenas uma faixa na cabeça e levados de volta ao presídio e foram algemados numa espécie de sala sem teto (local para tomar banho de sol).
Enquanto os brasileiros foram levados ao hospital, os bolivianos saquearam tudo o que puderam das celas e ameaçaram de morte os que voltarem. Não se sabe o total de presos de nacionalidade brasileira que cumprem pena no presídio de Villa Bush.
Marcas do espancamento sofrido durante a rebelião no presídio de Villa Bush, em Pando (Bolívia)
Marcas do espancamento sofrido durante a rebelião no presídio de Villa Bush, em Pando (Bolívia) – Imagens cedidas
Dois dos sobreviventes que estão no Hospital Roberto Galindo em Cobija, estão sendo acusados de crimes que, segundo os familiares, não existem prova contra eles. O caso do jovem Gabriel Silva Santos (18), foi acusado de matar um boliviano a dois anos atrás e existe apenas depoimento dos familiares.
O caso de Odailton Barbosa da Silva (26), natural de Epitaciolândia, está preso a cerca de três meses acusado de estupro numa comunidade onde trabalhava. Mesmo com testemunhos de várias pessoas que estaria longe do local do crime, foi detido e levado ao presídio.
Mais informações a qualquer momento sobre a rebelião. Veja reportagem com Almir Andrade com dois familiares das vítimas que denunciam o descaso por parte das autoridades bolivianas.
FONTE: WWW.OALTOACRE.COM

Um comentário:

  1. AO NOSSO GOVERNO. VAMOS TER HUMILDADE, SERA QUE SE FOSSE UM PARENTE SEU GOVERNADOR O SENHOR DEIXARIA LÁ? OLHE COM OLHOS DE HUMILDADE PONHA EN PRATICA AS LEIS BRASILEIRA AJUDE ESSAS PESSOAS. DEIXEM SER JULGADAS AQUI NO BRASIL. NEM UMA SER HUMANO DEVE MORRER NEM UM ANIMAL.

    REFLITA. NOS NAO SOMOS CAPAZES DE JULGAR NINGUEM. NOS ESTAMOS AQUI NESTE MUNDO DE PASSAGEM,NÃO SOMOS NADA AINDA QUE FAÇA-MOS A NOSSA PARTE AINDA ASSIM SOMOS NADA IMAGINE SE NOS NAO FAZEMOS A NOSSA PARTE O QUE SERI-MOS. NADA VEZES NADA!

    ResponderExcluir