Carregando...

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Uma dica urgente sobre dialética política

POR 

Nunca, nunca, nunca, sob hipótese alguma, nem por qualquer motivo, avalie um conteúdo político pela sua impressão imediata. A dica é fazer o processamento da informação considerando os interesses dos emissores da informação. A partir daí, em uma análise o mais racional possível (atente-se aos fatos), reaja.
Vou de novo lembrar o motivo pelo qual chamei este blog de Ceticismo Político. O termo significa o questionamento prioritário às alegações políticas. Uma alegação política é toda aquela que, se aceita, gera benefício para seu oponente durante interações sociais. Pode ser que algumas alegações políticas sejam verdadeiras. Mas e se não forem? É aí que o ceticismo político torna-se o diferencial. (Guerra política é uma outra. Ceticismo político é outra. Um cético político viverá uma vida de sofrimento se não jogar a guerra política. Logo, um bom cético político deve jogar a guerra política.)
Quando alguns liberais parecem crianças ao dizer “será que os socialistas não aprendem com seus erros?”, acreditam na alegação política já infinitamente derrubada de que os socialistas tem boas intenções para a economia. A verdade vai na contramão: os socialistas sabem que vão destruir suas economias, não estão se importando nem um pouquinho, mas muitas vezes conseguem sua paga, que é o poder totalitário. Com o cérebro colapsado, muitos liberais perdem toda sua capacidade de prever os próximos movimentos do socialista. E o mais bizarro de tudo: ainda se acham os espertões. É de dar dó.
Adiante.
Em um mesmo dia, via Facebook, três pessoas me mandaram mensagens dizendo coisas como “xi….” ou “danou-se” em relação à questão do TCU. Alguns achavam que o governo venceria a questão. Para obter tal sensação, baseavam-se em discursos do Planalto utilizando-se da falsa proclamação de vitória. Deixando que essas sensações os influenciassem, caíam em desânimo e até pensavam em mudar radicalmente seus cursos de ação. Pareciam perdidos e transtornados.
Eu não me surpreenderia se fossem leitores novos do blog. Mas não. Eram leitores de longa data, e isso me deixou muito preocupado, já que eles deveriam ter questionado os discursos de falsa proclamação de vitória do governo, os quais, em matéria de guerra política, são instrumentos para ativar suas militâncias, influenciar os neutros e desanimar os oponentes, como ocorreria em toda instância de qualquer formato de guerra, inclusive a guerra tradicional.
Só me restou lembrar dessas cenas do Star Trek:

É de se questionar se o líder borg realmente estava dizendo a verdade ao dizer “Resistir é inútil. Vocês serão assimilados. Não há nada a fazer. Rendam-se!”.
Claro que não! Ele estava simplesmente buscando rendições para economizar recursos. Recursos estes essenciais para o combate. A avaliação realista da situação, completamente independente desta “análise” de seu oponente, é que deveria dizer se, para eles, resistir era útil ou inútil. Mas, seja qual for a resposta, a pior das fontes para essa informação é seu oponente, principalmente se ele estiver interessado em sua rendição.
Peço até desculpas aos meus amigos se na hora de responder, o fiz com pouca sutileza. Pode até ser que eu não tenha sido didático o suficiente. Estou inclusive montando mais de uma estrutura de conteúdo para que em 2016 o didatismo seja levado ao nível “for dummies”. Mas existem aspectos limitadores dos quais já deveríamos ter nos livrado. Um deles é cair em alegações políticas tão óbvias de nossos oponentes, especialmente aquelas utilizadas para nos desanimar da luta. Mas se o seu adversário quer exatamente que você desanime, será que ele se torna a fonte mais confiável para orientar sua tomada de decisão?
Caso você tenha sido vítima do truque, pense sobre isso e reflita.

Fonte: http://lucianoayan.com/2015/10/06/uma-dica-urgente-sobre-dialetica-politica/

Nenhum comentário:

Postar um comentário