Carregando...

XAPURI AMAX

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Estamos no pior momento da nossa história em termos éticos, diz Bernardinho

Estive pessoalmente com Bernardinho somente duas vezes, e guardei dele a melhor impressão possível, que já era boa antes, por meio da figura pública. Com fala rápida e agitada, o treinador campeão do vôlei brasileiro consegue transmitir valores e exalar liderança em seus discursos e conversas, mas sempre preservando a fundamental humildade. Comentei sobre uma de suas palestras aqui, com admiração.

Agora foi a vez de Alexandre Salvador entrevistá-lo para as páginas amarelas da Veja desta semana. Na entrevista, em que sua recente descoberta de um tumor maligno já extirpado de seu rim é tratada pela primeira vez, sem sensacionalismo algum, Bernardinho volta ao tema da liderança, explicando o que é necessário para criar uma juventude com melhores valores, e ataca também a corrupção em sua causa principal, a impunidade. Eis um trecho:

Bernardinho Veja

Tendo chegado hoje de Israel, um país diferenciado quando o assunto é ética, confesso ficar ainda mais mexido com esse discurso. Por que o Brasil abandonou tanto os valores éticos e morais fundamentais para a construção de um país civilizado e respeitado? Por que não conseguimos combater a impunidade que campeia e é inclusive aceita por boa parte da população, como se fosse normal roubar, mentir, delinquir?

A resposta exige um tratado sociológico, cultural e histórico. Só sei que de nada adianta culpar sempre nosso passado, abraçar um tipo de fatalismo pessimista, de que o povo brasileiro sempre foi e sempre será assim mesmo, de que não há nada a ser feito, pois esse é o caminho da desgraça.

Cabe justamente a elite liderar, incutir nos jovens a importância do respeito às regras e ao próximo, o senso de pertencimento a algo maior, que merece ser preservado, o processo civilizatório no trato da coisa pública, enfim. Os esportes podem ajudar, como outras atividades coletivas que ensinem a importância da meritocracia, da responsabilidade individual, do “fair play”.

Mas o Brasil está virado ao avesso. A corrupção se espalhou por todo canto, inclusive nos esportes, como atesta o caso da CBV. Todos querem apenas “se dar bem”, não importa como. As elites, quando podres, não conseguem criar nada além de podridão. O sujeito pode ter um iate e curtir os balneários de luxo, degustar dos melhores vinhos, viajar o mundo de primeira classe. Mas se isso é possível apenas com dinheiro sujo, então ele só não pode gozar de uma coisa: do nosso respeito.

Um povo que julga o sucesso apenas pela conta bancária, não importa como ela foi conquistada, é um povo perdido, condenado. Precisamos de líderes que busquem resgatar os valores éticos abandonados. Ou isso, ou o caos.
Rodrigo Constantino

Tudo aquilo que nos foi ensinado sobre as nossas origens é mentira

(Nota do tradutor: O texto que se segue faz várias referências à anti-científica crença nos mitológicos “milhões de anos”, mas elas não espelham a posição mantida pelo blogue e nem estão de acordo com as evidências científicas disponíveis. Paralelamente, porções do texto que lançavam críticas aos criacionistas e ao Criacionismo Científico foram removidas, mas podem ser vistas no original)
MarteloEm Junho de 1936 Max Hahn e a sua esposa Emma faziam uma caminhada perto duma cascata perto de London, Texas, quando notaram numa rocha com madeira saliente proveniente do seu âmago. Eles tomaram a decisão de levar a curiosidade para casa e mais tarde abriram-na com um martelo e com uma talhadeira. O que eles encontraram no seu interior chocou a comunidade arqueológica e científica. Incorporado na rocha estava o que parecia ser um martelo feito por mãos humanas.
Uma equipa de arqueólogos analisou e datou o achado; a rocha que envolvia o martelo foi datado como tendo mais de 400 milhões de anos, e veio-se a descobrir que o  próprio martelo tinha mais de 500 milhões de anos. Para além disso, uma secção do cabo de madeira do martelo já tinha começado a metamorfose para carvão. A cabeça do martelo, que era mais de 96% composta por ferro, é muito mais pura do que qualquer coisa que pode ser atingida sem a ajuda de métodos de derretimento relativamente modernos.
No ano de 1889, perto de Nampa (Idaho), enquanto os operários perfuravam um poço artesiano, uma pequena figurinha feita de barro foi extraída duma profundidade de 97 metros. Para se atingir esta profundidade, os trabalhadores tiveram que cortar através de 4,5 metros de lava basáltica e muitos outros estratos abaixo eles. Isto, por si só, não parece espantoso até que levamos em consideração que a camada do topo foi datada como tendo 15 milhões de anos!
É actualmente aceite pela ciência e pela geologia que o carvão é um subproduto da vegetação em decomposição. A vegetação é enterrada com o passar do tempo, e é coberta por sedimentos. Eventualmente, esse sedimento fossiliza e torna-se em rocha. Até estar concluído, este processo natural de formação de carvão demora até 400 milhões de anos [ed: Na verdade, o processo é bem mais rápido desde que existam as condições certas]. Qualquer objecto que seja encontrado em pedaços de carvão tinha que ter sido colocado ou largado lá (dentro da vegetação) antes de ter sido enterrado nos sedimentos.
A hand crafted bell found in a 300 million year old lump of coalNo ano de 1944, na altura com 10 anos, Newton Anderson deixou cair um pedaço de carvão no porão da sua casa e quando este atingiu o chão, partiu-se ao meio. O que ele descobriu dentro do pedaço de carvão desafia todas as explicações que se baseiam na actual ortodoxia científica. Dentro do pedaço de carvão foi encontrado um sino de liga de bronze feito à mão, com um badalo de ferro e punho esculpido. Quando uma análise foi levada a cabo ao sino, descobriu-se que ele era feito duma mistura pouco usual de metais, diferente de qualquer composição moderna de ligas conhecida (incluindo o cobre, o zinco, estanho, arsénico,, iodo, e selénio). Estima-se que a costura de onde este pedaço de carvão foi extraído tenha 300,000,000 de anos!
Estas descobertas extraordinárias, embora bizarras, não são únicas e nem incomuns. Existem literalmente milhares de objectos deste tipo a ganhar pó nos cofres dos museus um pouco por todo o mundo, trancados longe do escrutínio público. Foram reportados outros achados igualmente pouco usuais tais como os que se seguem:
No dia 11 de Junho de 1891, o The Morrisonville, Illinois Times, reportou a forma como a Senhora S. W. Culp encontrou uma corrente circular de ouro de 8 quilates, com cerca de 25 centímetros, embutida num pedaço de carvão depois dela o ter partido como forma de o colocar na sua escotilha. A corrente foi descrita como “antiga” e de  “mestria singular”.
Em exibição num museu em Glen Rose (Texas) está um panela de ferro fundido alegadamente encontrada em 1912 num enorme pedaço de carvão por um trabalhador que alimentava com carvão a fornalha duma usina. Quando ele partiu o carvão ao meio, o trabalhador disse que a panela caiu, deixando a sua marca no carvão.
OOP_PanelaAinda mais um relatório (encontrado no Epoch Times) fala dum fazendeiro do Colorado que nos anos 1800s partiu um pedaço de carvão (que havia sido desenterrado a 90 metros abaixo da superfície) e descobriu  “um dedal de ferro com aparência estranha.
O Cubo de Salzburg [Salzburg Cube] é mais um puzzle antigo encontrado por um trabalhador chamado Reidl numa fundição Austríaca em 1885. Tal como os outros, este homem partiu um bloco de carvão e encontrou um cubo de metal embutido no seu interior. Análises recentes concluíram que o objecto era constituído de ferro forjado e era claramente artesanal. O carvão onde o cubo foi encontrado tinha milhões de anos.
A lista de tais items continíua por aí além.
Sejam bem vindos ao mundo da OOPART, ou Out of Place Artefacts.
Os “artefactos fora do lugar” [inglês: Out of place artefacts = Ooparts] são assim chamados porque a sabedoria científica convencional (expressão que é um oxímoro), declara que, com base nas crenças em torno das nossas origens actualmente aceites, estes artefactos não deveriam existir. Segundo a linha temporal usada para a históra  humana, estas descobertas estão “fora do lugar”.
Quando a conformista comunidade científica se depara com tais anomalias, a forma oficial de lidar com elas é desacreditar a idade reportada, ou, talvez, seguir o caminho de se desacreditar a fonte da notícia (ou até o repórter). Se esta abordagem falha, então os artefactos são normalmente banidos para compartimentos sombrios de museus e armazéns para nunca mais serem vistos.
Se estes artefactos fossem escassos então sería possível perdoar o ponto de vista mantido pelas comunidades centificas e arqueológicas mainstream de que os artefactos são um logro ou histórias erradamente reportadas. No entanto, quando nos apercebemos que milhares e milhares destes artefactos anómalos foram descobertos e reportados ao longo dos anos, então temos que re-avaliar a nossa aceitação da integridade da ciência e da arquelogia oficial.
Ocasionalmente, um arqueólogo honesto irá tentar revelar ao público a verdadeira idade e a verdadeira origem de tais objectos, colocando em causa as crenças aceites pelos seus colegas mainstream. Normalmente, as suas carreiras acabam de modo bem abrupto. Infelizmente, a maioria apenas aceita o que lhes foi ensinado nas escolas e nas universidades sem colocar nada em causa. É desta forma que o nosso sistema de ensino está construído; ele não não encoraja o individualismo, mas apenas indoutrina os estudantes com as crenças e os dogmas estabelecidos.
Se queremos evidências da mentalidade “mainstream” basta-nos olhar para a área da psiquiatria, onde as pessoas que se desviam da norma são demonizadas e declaradas “mentalmente doentes”. Estes supostos “profissionais da saúde mental” inventaram até uma nova desordem mental com o nome de Oppositional Defiant Disorder[Transtorno Desafiador de Oposição], ou ODD (adoro a ironia da abreviação). Esta recém-inventada condição encontra-se listada na mais recente edição do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, ou DSM, que declara como mentalmente doentes as pessoas que não se conformam com o que aqueles que se encontram no topo declaram como normal. (…)
Dum lado do campo temos os Darwinistas e a sua teoria da evolução, tentanto estabelecer a extremamente falha visão de que, de alguma forma, nós evoluímos para seres altamente inteligentes a partir duma poça de líquido viscoso, milagrosamente trazida para a vida por tempestades eléctricas que ocorrem há milhares e milhões de anos atrás. (Talvez algum membro desta seita me possa explicar como foi que a “consciência” evoluíu, e diponibilizar algum tipo de evidência; aguardo ofegante!).  Do outro lado temos os criacionistas com a sua crença de que Um Ser Omnipotente Invisível . . . agitou a Sua Mão . . .  há 7,000 anos atrás e criou a Terra e tudo o que está nela. (….)
Mesmo que tentassemos, seria  impossível obter crenças diametricamente mais opostas;  ambos os lados aderem com fervor inabalável e de modo voraz às suas crenças. (…) A realidade dos factos é que a origem do ser humano é um enigma completo [ed: Não, não é.] Ninguém, em lugar algum, realmente sabe o quão antigo é o ser humano, ou onde e como ele se originou. (….)
O problema que o mainstream tem com estas anómalas Ooparts é que elas colocam em causa todas as crenças aceites em torno do nosso passado. Parece que por todo o sítio onde olhamos, vemos coisas que contradizem muito do que actualmente é ortodoxia científica. O establishment científico nunca irá aceitar ou admitir que os artefactos são autênticos visto que fazê-lo seria admitir que eles estão completamente errados em torno das nossas origens, e consequentemente invalidar todos os livros escolares que são usados para indoutrinar as nossas crianças.
A descoberta das Ooparts aniquila por completo a [comparativamente recente] teoria da evolução. Se, como a hipótese [evolutiva] quer que acreditemos, os seres humanos modernos evoluíram há 200,000 anos atrás (ou algo por aí perto), temos que perguntar de que forma é que artecfatos feitos por seres humanos se podem encontrar em estratos geológicos com milhões e milhões de anos. (…) No entanto, o establishment psiquiátrico quer qualificar-nos de malucos por colocarmoos em causa estas bobagens. Imagine-se!
Sem dúvida que haverá leitores que, agindo de forma semelhante aos arqueólogos mais conservadores, e muito provavelmente devido ao sistema de crenças que lhes foi indoutrinado, irão rejeitar as em cima mencionadas Ooparts e qualificá-las de enganos ou falsificações. Talvez eles estejam dispostos a disponibilizar uma explicação para o seguinte:
Pegadas_Dino_Paluxy* É crença aceite que os seres humanos e os dinossauros não co-existiram. Segundo o mundo académico “convencional”, os dinossauros vaguearam pela Terra entre 65 a 225 milhões de anos atrás, enquanto que o primeiro humanóide bípede que caminhava de modo erecto só apareceu há cerca de 1 milhão e 800 mil anos atrás. No entanto, em 1968 um paleontólogo chamado Stan Taylor deu inicio a escavações a um conjunto de pegadas fossilizadas de dinossauro descobertas no leito do rio Paluxy – perto de Glen Rose (Texas). O que ele desenterrou por lá chocou e deixou estupefactos os membros da comunidade científica. Ao lado das pegadas de dinossauro, precisamente no mesmo estrato cretáceo fossilizado, encontram-se pegadas humanas muito bem preservadas.
A reacção imediata dos evolucionistas, arqueólogos e cientistas no geral, foi a de desacreditar o achado e qualificá-lo de fraude. “As pegadas foram esculpidas nas rochas por impostores” ou “Essas pegadas não são de humanos; são pegadas de dinossauro que se corroeram e tomaram a aparência de pegadas humanas”. No entanto, este tipo de argumentação falha quando perguntamos o porquê de só as pegadas humanas terem entrado em erosão mas as 3 pegadas de dinossauro não terem. Para além disso, temos que levar em consideração que, se as pegadas humanas foram esculpidas como forma de enganar quem as achasse, como foi que os impostores conseguiram esculpir pegadas humanas que continuavam por debaixo do leito firme que foi mais tarde removido da parte lateral do leito do rio?
Desde a sua descoberta inicial, centenas de outras pegadas foram entretanto descobertas e desenterradas – tanto em Paluxy como em muitos outros locais do globo. Ou estes impostores têm tempo e dinheiro ilimitado ou alguém nos está a contar uma mentira!
Outra coisa que temos também que levar em conta é algo encontrado em calcário com 100 milhões de anos: o dedo fossilizado dum caçador (mais tarde submetido a numerosos testes cientificos e análises), achado perto dum dente duma criança e perto de cabelo humano. O seccionamento do dedo encontrou a típica estrutura óssea porosa normal dos dedos humanos. Para além disso, um CAT-scan e um exame de ressonância magnética identificaram juntas e localizaram traços de tendões por todo o fóssil. Este é um tipo de achado que a ciência não pode qualificar de fraude.
Existe, no entanto, um outro achado mais recente que destrói todos os outros no que toca à sua idade.
OOP_EsferaDurante as últimas décadas, mineiros duma pequena povoação de Ottosdal (Transvaal Ocidental, África do Sul) têm estado a escavar centenas de misteriosas esferas de metal. Estas esferas têm entre 25 a 100mm de diâmetro, e algumas encontram-se gravadas com três ranhuras paralelas que percorrem a região do equador. Foram encontrados dois tipos de esferas: um é composto por um metal azulado sólido com manchas de branco, e o outro está oco e preenchido com uma substância branca esponjosa. Estas esferas são alegadamente tão delicadas que mesmo com a tecnologia moderna, elas teriam que ser feitas num ambiente com gravidade zero como forma de obter estas características. Estas esferas tomaram o nome de Esferas de  Klerksdorp.
Os geólogos tentaram desacreditar estes artefactos, identificando-os como formações naturais ou “concreções de limonita”, mas falharam ao não explicaram como foi que estas formações ocorreram naturalmente, com linhas perfeitamente direitas e perfeitamente espaçadas em redor das esferas. Talvez o verdadeiro motivo por trás de tão fervorosa tentativa por parte da comunidade científica de se falsificar estes achados prende-se com o facto da rocha onde estas esferas foram achadas pertencerem ao Pré-Cambriano e terem sido datadas com 2,8 mil milhões de anos!
Na minha opinião, quer alguém escolha aceitar estes artefactos fora do lugar como genuínos ou não, essa decisão gira em torno das crenças pessoas. Os evolucionistas recusam-se a aceitar estes achados como genuínos visto que fazer isso iria forçá-los a re-avaliar todo o sistema de crenças indoutrinado. Eles baixarão ainda mais o seu intelecto e produzirão fantasias óbvias como forma de desacreditar estas descobertas. Se por acaso isso não funcionar, eles irâo fingir que estas achados não existem, e irão escondê-los – para sempre
Por outro lado, os criacionistas irão aceitá-los como … prova de que o universo só tem cerca de 7,000 anos. (….) Pessoalmente, não faço parte de nenhum dos campos no que toca às nossas origens. Não tenho qualquer tipo de “filosofia” sobre este  assunto, preferindo adaptar o meu entendimento à medida que mais evidências se vão tornado disponíveis. (…)
Tudo aquilo que nos foi ensinado nas nossas escolas e nas nossas universidades em torno das nossas origens e da nossa história baseia-se em nada mais que hipóteses e especulações.  (….)
Fonte: http://bit.ly/ZeziYB
* * * * * * *
Embora o texto original esteja repleto de erros e alegações  que contradizem as evidências que ele mesmo cita no seu texto, o que o autor do texto diz está essencialmente correcto:tudo aquilo que as escolas e as universidades nos ensinaram sobre as nossas origens está cientificamente errado.

Não é possível manter um fé racional nos “métodos de datação” quando estes dizem, por um lado, que o ser humano só existe há 200,000 anos, ao mesmo tempo que encontramos objectos feitos por seres humanos em camadas alegadamente com “milhões de anos”. Ambas não podem estar correctas.
Pior que isso, e se as palavras do autor do texto estiverem correctas, os museus mundiais têm na sua posse (embora escondidos do público) objectos que não só colocam  em causa os “milhões de anos”, como também a fiabilidade dos seus “métodos de datação”.
Se isto é assim, convinha saber o porquê desses  museus não revelarem ao público dados empíricos que não estão de acordo com a sabedoria recebida. Uma verdadeira conclusão cientifica baseia-se na avaliação de todos os dados, e não só dos dados que podem ser usados em favor da hipótese. Os evolucionistas, ao esconderem do público dados que colocam em causa a sua fé neo-Darwinista, revelam claramente que a teoria da evolução não tem qualquer valor científico.
Para os criacionistas, a existência da OOPArt é mais uma confirmação de que a Terra não têm os milhões de anos que os evolucionistas pensam que tem. O próprio nome “OOPArt”está errado visto que essa arte só está “fora do sítio” se a linha temporal evolucionista estiver correcta; como se pode ler no texto, os métodos de datação usados não são cientificamente fiáveis.
As conclusões são mais ou menos óbvias: A Terra não têm milhões de anos, e  evoluçãonunca aconteceu. A Terra foi criada por Deus há cerca de 6.000/7.000 anos, e as formas de vida apareceram na Terra totalmente funcionais e operacionais. O ser humano e os dinossauros sempre viverem lado a lado até que a maior parte deles foi desaparecendo com o tempo.
Os evolucionistas são livres para ter a sua fé, mas não são livres para chamar de “ciência” às suas crenças religiosas. A Bíblia, e não o naturalismo evolutivo, tem a verdadeira história das nossas origens.
Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou: portanto, abençoou o Senhor o dia do sábado, e o santificou.
Êxodo 20:11
http://darwinismo.wordpress.com/2014/10/29/tudo-aquilo-que-nos-foi-ensinado-sobre-as-nossas-origens-era-mentira/

Pode a ciência distinguir entre o que tem causas naturais e o que tem causas inteligentes?

Publicado  por 

O Naturalismo é a doutrina de que as leis mecanicistas da natureza são suficientes para explicar todos os fenómenos. Crença nesta doutrina cresceu com a física Newtoniana, e recebeu um impulso considerável com Charles Darwin. Muitos cientistas actuais têm o Naturalismo como suposição inconsciente.Alguns evolucionistas estão a tentar embutir o Naturalismo dentro da ciência, redefinindo a ciência de modo a que ela rejeite explicações não-naturalistas.
Estes evolucionistas buscam assim formas de invalidar a teoria da criação com base nisso mesmo, mostrando que a criação “não é científica por definição”, e tentando desta maneira obter uma rápida vitória no debate sobre as nossas origens. Niles Eldredge tenta esta abordagem:
Niles_EldredgeSe existe uma regra, um critério que torna uma ideia científica, é que ela tem que invocar explicações naturalistas, e essas explicações têm que ser testáveis apenas e só com base no critério dos nossos cinco sentidos.
Os cientistas estão constragidos a enquadrar todas as suas declarações simplesmente em termos “naturalistas” de modo a que possam sr capazes de testá-las….´´E simplesmente uma questão de definição — sobre o que é ciência e o que não é. Pela sua própria definição, o criacionismo científico não pode ser ciência (“The Myths of Human Evolution”, Eldredge, 1982, páginas 80, 87 e 90).
Eldredge afirma que as ideias científicas têm que usar apenas explicações naturalistas, mas o problema com isso é que ele usa isso como critério para a ciência – isto é, para distinguir entre o que é ciência e o que não é ciência. Os seus esforços são feitos como forma de tornar a evolução “científica” e a criação “não-científica” através de definições, algo bastante comum.
No entanto esta definição de ciência está mal-direccionada visto que o Naturalismo não é critério da ciência, e a ciência não começa assumindo que todos os fenómenos são naturalistas. Em vez disso, a base da ciência é a busca pela verdade. A ciência pode colocar mais ênfase nas explicaçôes naturais (visto que normalmente elas nos são mais úteis e os fenómenos naturais são os mais comuns) mas o cerne da ciência é a busca pela verdade (onde quer que ela se encontre).
Imaginemos que um detective investiga o desaparecimento dum carro; ele não está restringido a só considerar um agente inteligente (ladrão) visto que é possível que os travões de tenham avariado e o carro tenha descido, sozinha, a rua e para fora da estrada. Esta hipótese é uma hipótese naturalista e ela tem que ser levada em conta como causa do desaparecimento do carro.
O detective, tal como o cientista, está em busca da verdade e o que realmente importa é que a sua explicação dependam das evidências empíricas observadas com os nosso cinco sentidos. No entanto, esta dependência não nos impede de reconhecer um efeito como havendo sido causado por um agente inteligente.
A ciência histórica aceita o design inteligente como explicação científica visto que a arqueologia estuda (entre outras coisas) pedras e outro tipo de artefactos que nos podem dar evidências suficientes para concluirmos que são o efeito de design inteligente e não de processos naturais. A arqueologia faz isto e vai mais longe ainda ao entender a cultura dos agentes inteligentes por trás de tais criações. Mão há qualquer motivo científico para o design inteligente ser aceite na arqueologia mas rejeitado na biologia.
Examinemos esta explicação:
Os dados são o trabalho dum planeador inteligente que os organizou em segredo, sem ser visto por alguém, e que propositadamente os colocou aqui.
Muitas pessoas podem achar que esta explicação não é científica, mas esse é um erro da sua parte. O falso fóssil evolutivo com o nome de “Piltdown Man” ajusta-se na perfeição à explicação dita em cima.
O fóssil de Piltdown foi uma mentira mas apesar do autor da mentira ainda ser uma incógnita, os cientistas foram capazes de deduzir a sua existência. Os cientistas não tiveram que apanhar o mentiroso em pleno acto como forma de estabelecer como facto a sua existência. Os detalhes do caso fizeram com que a hipótese de planeador inteligente fosse a mais correcta.
Homem_Piltdown_EsavacaoPor volta de 1908 um grupo de cientistas encontrava-se a escavar perto de Piltdown, na Inglaterra, em busca dos fósseis dos alegados antepassados humanos. Foram encontrados vários fósseis com aparência de antigos; estes ossos – conhecidos como “Homem de Piltdown” – incluíam um crânio e uma mandíbula
A mandíbula tinha a aparência de pertencer um macaco – tendo dois ossos molares achatados, tal como é encontrado nos seres humanos mas nunca nos macacos. Infelizmente a mandíbula estava partida em dois locais que poderiam ter determinado relação com o crânio: oa região do queixo e a área da articulação com o crânio. Durante mais de 40 anos os cientistas discutiram o Homem de Piltdown e o seu lugar na linhagem evolutiva pré-humana.
No entanto, na década 50 do século passado, os cientistas finalmente detectaram a mentira através de 3 linhas de evidências:
1) Primeiro, quando os ossos são enterrados, eles rapidamente absorvem flúor do solo. Um teste químico revelou que os ossos continham muito poucos traços de flúor, provando que os mesmos nunca poderiam ter estado enterrados há muito tempo.
2) As superfícies dos dentes tinham marcas de arranhões pouco usuais, provavelmente duma lixa usada para a remodelação dos dentes.
3) Os ossos tinham marcas de bicromato de potássio, como forma de os fazer parecer mais antigos.
Os cientistas consideraram estes três dados como evidências convincentes para fraude intencional. Mais tarde os cientistas mostraram a forma como o Homem de Piltdown havia sido fabricado a partir dum crânio humano e uma mandíbula dum orangotango.
Os cientistas deduziram também algumas coisas em relação ao falsificador: ele sabia o que incluir como forma de dar mais credibilidade ao fóssil, no entanto a principal habilidade do falsificador era o de saber o que deixar de fora. De forma hábil, o falsificador deixou de fora o queixo e a articulação da mandíbula – precisamente as duas estruturas que iriam revelar a fraude se por acaso estivessem presentes no “fóssil”. O falsificador tinha uma percepção apurada do clima científico.
Este exemplo demonstra como a ciência pode distinguir entre causas inteligentes e causas naturais, e demonstra também como a ciência pode ir mais além e deduzir os traços de personalidade e os motivos do planeador inteligente. E tudo isto é feito não observando o designer em pleno acto de criação, mas sim com base nos dados observáveis e testáveis.
Conclusão:
Homem_PiltdownA pergunta importante é: porque é que a ciência aceita causas inteligentes na arqueologia mas não na Biologia? A resposta prende-se com a natureza do designer visto que enquanto na arqueologia os designers são sempre humanos, na Biologia o Designer nunca poderia ser humano, e nem de alguma forma restrito ao mundo natural (isto é, o Designer da vida é claramente Alguém Sobrenatural).
Uma vez que a Biologia actual está sob o controle ideológico do Naturalismo, nenhuma explicação pode de alguma forma violá-lo, mesmo quando as evidências claramente refutam o Naturalismo (como no tópico da origem da vida).
O importante a reter do exemplo do Homem de Piltdown é que a ciência aceita o design inteligente, e a inferência para o mesmo é feita com base na análise nos dados. Qualquer pessoa/evolucionista que aceita a inferência para o design na arqueologia não tem motivoscientificos para rejeitar a mesma metodologia científica na Biologia.
Fonte: “The Biotic Message”, ReMine, Walter, páginas 29, 30, 31
http://darwinismo.wordpress.com/2014/10/12/pode-a-ciencia-distinguir-entre-o-que-tem-causas-naturais-e-o-que-tem-causas-inteligentes/

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Esquerdopatas II

Em luta contra a realidade

ESCRITO POR COLOMBO MENDES | 22 SETEMBRO 2014 
Como um bom "coxinha", "opressor", "fascista" e "reaça", estou trabalhando na sexta-feira à noite, enquanto aquela gente linda, revolucionária, do bem, está por aí, chapando o melão por um mundo melhor. De repente, chega a mim, desde a sala, uma voz afetada a latir algo assim: "PELO CONTROLE DAS FÁBRICAS E DO CAMPO PELOS TRABALHADORES!". Era um candidato a deputado estadual pelo Partido Comunista do Brasil.

Se por aqui 1 mais 1 fossem 2, só ouviríamos esse tipo de besteira em documentários. Socialistas e comunistas, os irmãos ricos, chiques e bem-sucedidos de nazistas e fascistas, mataram mais de 100 milhões de pessoas e destruíram talentos, obras de arte, bibliotecas e países. Entretanto, seguem por aí, firmes e fortes, a fazerem campanha política paga por nós, contribuintes, enquanto deveriam habitar a lixeira da história, junto com seus irmãos ítalo-germânicos.Ademais, o mais importante a ressaltar é que esse tipo de discurso, em favor dos trabalhadores, é sustentado, em geral, por gente que não trabalha.

Os maiores supostos defensores dos trabalhadores, dos operários e dos campesinos são professores universitários, sindicalistas e massa de manobra de partidos políticos. Ou seja, gente que, em geral [é óbvio que há exceções!] sequer sonha com o que venha a ser a realidade.Ou nunca trabalharam ou ignoram completamente a experiência laboral que tiveram. Caso contrário, saberiam que o trabalhador médio quer mais é ser aquilo que chamam de “explorado”.A imensa maioria dos trabalhadores quer cumprir seu horário e esquecer-se dos problemas depois de bater o cartão, de preferência tomando uma "gelada". Já fui office boyem fábrica e ouvia, horrorizado (esquerdista que eu era), meus colegas "peões" dizerem que queriam mais é ter um chefe, alguém que desse as ordens e assumisse a responsabilidade pela produção, pois desejavam apenas cumprir suas tarefas e ir embora sem problemas.Eu tinha 15 anos e ouvia de meus professores do ensino médio que os burgueses, os patrões, os donos dos meios de produção eram uns malditos exploradores, que passavam a vida viajando, freqüentando restaurantes badalados e fazendo festa. Num turno eu ficava empolgado, cheio daquele furor juvenil que a esquerda bem sabe explorar, após ouvir o belo discurso de meus professores; noutro turno ficava confuso, atônito, ao saber que o dono da empresa em que eu trabalhava fora o primeiro a chegar e seria o último a ir embora, certamente cheio de problemas na cabeça, tomado pela gravidade de ter de preocupar-se com produção, comercialização, legislação trabalhista, legislação tributária e toda sorte de burocracias a que um empreendedor brasileiro está submetido.Depois, na faculdade, segui ouvindo que os donos dos meios de produção eram uns malditos exploradores, que passavam a vida viajando, freqüentando restaurantes badalados e fazendo festa. Mas aí eu já estava vacinado pela realidade. Aprendera – trabalhando e, depois, empreendendo – que o empresário brasileiro é praticamente um herói, que sustenta a si mesmo e aos seus com muita dignidade, além de garantir o sustento de muitas outras famílias.Já os professores universitários, os sindicalistas e demais “intelectuais” de esquerda, bem, esses são uns exploradores malditos, que vivem à custa do erário ou de contribuições compulsórias, produzem absolutamente nada e ganham dinheiro para falar mal de quem os sustenta pagando impostos. Ademais, passam a vida viajando, freqüentando restaurantes badalados e fazendo festa – e cacarejando por direitos inviáveis de trabalhadores que não existem.

Um empresário é um sujeito que ganha a vida organizando a atividade econômica. Ele acumula um capital, investe, ganha, paga suas dívidas para com os fornecedores, os empregados e o Estado, e no fim, se todo dá certo, tem um lucro. A quase totalidade do lucro é reinvestida no mesmo ou em outros negócios. Uma parte ínfima ele pode gastar em benefício próprio e da família. Se seu negócio é muito, muito próspero, mesmo essa parte ínfima basta para que ele compre mansões, iates, jatinhos e jatões, carros de luxo, cavalos de raça, e tenha, se é do seu gosto, múltiplas amantes. Em geral ele se contenta com muito menos.


Um político de esquerda é um sujeito que ganha a vida tentando jogar os empregados contra os empregadores. Ele mostra aos operários os aviões, os cavalos de raça e os carros de luxo do patrão e grita: "É roubo!" No começo ele faz isso de graça. É um investimento. Assim como o empresário investe dinheiro, ele investe insultos, gestos, caretas de indignação, apelos à guilhotina. Em troca, dão-lhe dinheiro. Ele vive disso. Quando alcança o sucesso, pode dispor de mansões, iates, jatinhos e jatões, carros de luxo, cavalos de raça e amantes em quantidade não inferior às do mais próspero capitalista.


Militares, ‘profetas,’ comunistas e outros suspeitos: Qual é a solução para o Brasil?

Só um genuíno arrependimento nacional pode abrir o Brasil para o Deus que salva em todas as áreas — inclusive política.
Julio Severo
Na década de 1930, a Alemanha democrática estava em profunda crise econômica. Os comunistas aproveitaram a democracia e a crise para tentar vencer as eleições. Como única opção contra a ameaça comunista, surgiu no cenário político Adolf Hitler, que acabou atraindo o apoio de muitos direitistas, inclusive líderes luteranos. O que ninguém queria ver é que, apesar de ele ser a única ‘oposição’ política ao comunismo soviético, ele também era socialista. O Partido Nazista era o Partido dos Trabalhadores Nacional Socialista. Na Alemanha, o remédio ficou pior do que a doença.
A Igreja da Alemanha, em sua grande parte, não compreendeu que a opção eleitoral entre comunistas e Hitler não era escolher um, mas recorrer a Deus num arrependimento nacional. Nem os comunistas nem Hitler era solução. Só Deus era.
A Igreja da Alemanha também não compreendeu que precisava assumir uma postura forte contra a propaganda antijudaica de Hitler, que pintava os judeus como ‘conspiradores’ comunistas, inclusive usando opiniões expressas de Martinho Lutero contra os judeus.
O desespero anticomunista levou à tragédia hitleriana e ao Holocausto. A solução acabou ficando pior do que o problema.
Não havia solução política eleitoral. Só um arrependimento nacional poderia ajudar.
Para Hitler, que era antijudeu, ficou fácil ele e seu radicalismo serem uma opção anticomunista para a direita alemã. A União Soviética, que estava espalhando seu comunismo ao mundo, tinha judeus em elevados postos em seu governo e no temível Exército Vermelho. O papel dos judeus no comunismo soviético só fortalecia a propaganda nazista contra “conspirações judaicas.” Para Hitler, combater o comunismo soviético equivalia a combater os judeus e vice-versa.
A presença forte dos judeus no governo e sustentação da União Soviética era prova de que os judeus eram tão falíveis quanto os luteranos alemães. Se a escolha humana dos luteranos alemães era entre Hitler e os comunistas soviéticos, a escolha dos milhares de judeus russos era entre o governo do czar, que os perseguia violentamente, ou apoiar revoluções marxistas violentas que derrubariam o czar e instaurariam um governo que desse liberdade igual aos judeus.
De fato, nas primeiras décadas o regime soviético deteve as perseguições aos judeus e lhes deu oportunidades iguais de emprego e direitos. Embora a situação dos judeus tivesse melhorado muito, o regime soviético não era a solução política de Deus para eles e para a Rússia.
Só Deus era a verdadeira solução, mas a Igreja da Rússia não tinha visão para ver a importância da questão da perseguição aos judeus. Não era necessário se criar uma União Soviética para proteger os judeus e seus direitos. Tudo o que era necessário era a Igreja compreender seu papel e agir, chamando a nação ao arrependimento.
A Igreja na Rússia não socorreu os judeus, e o desespero levou os judeus a optar pela “solução” comunista soviética. A solução acabou ficando pior do que o problema.
Não havia solução política. Só um arrependimento nacional poderia ajudar.
No Brasil, não é diferente. Na última eleição presidencial, havia duas opções políticas. Um dos partidos ameaçava estabelecer os infames conselhos populares, que seguem o modelo soviético. O outro partido, que aparentava ser oposição para quem queria ser enganado, acabou criando, no seu maior reduto político do Brasil — o Estado de São Paulo —, os mesmos conselhos populares socialistas. Pior: a agenda homossexual tirânica socialista avançou nesse reduto sem quase nenhuma oposição. Socialismo engomadinho de um lado e socialismo metalúrgico do outro.
Não havia solução política eleitoral. Só um arrependimento nacional poderia ajudar.
Até mesmo os que diziam crer em visões, profecias e arrependimento caíram no redemoinho político, apoiando como “solução para o Brasil” um candidato socialista verde que acreditavam ser credenciado pelo fato de que escapou de um acidente de avião — fato interpretado por eles como “sinal de Deus.”
Sinal de Deus? O fato de uma pessoa ter escapado de um acidente é evidência suficiente de que ela é uma escolhida de Deus e tem um chamado político de Deus? Houve 27 tentativas de assassinar Adolf Hitler, que — recordemos — tinha apoio de muitos católicos e luteranos. Havia exceções. O Rev. Dietrich Bonhoeffer, pastor luterano, participou de movimentos que visavam matar Hitler. Os movimentos fracassaram e Bonhoeffer acabou num campo de concentração, sendo torturado e morto.
O corajoso coronel católico Claus von Stauffenberg tentou matar Hitler várias vezes. Num voo com Hitler, ele estava com uma bomba, para se matar e levar junto o ditador nazista. Mas a bomba não acionou. Na última tentativa, no quartel-general “Toca do Lobo,” a bomba funcionou, matando vários militares de alta patente. Mas Hitler saiu vivo, e condenou a torturas e morte Stauffenberg e seus colaboradores. Hitler via sua sobrevivência aos vários atentados como ‘milagres’ e ‘evidência’ de que havia um plano e chamado maior para a vida dele.
Hitler experimentou 27 desses ‘sinais’ e ‘milagres,’ mas nunca houve nenhum plano ou chamado de Deus realizado na vida dele.
No caso brasileiro, os ‘profetas’ achavam que tinham a mesma abundância de ‘sinais’ e ‘milagres.’ Mas suas profecias de ‘solução’ não se cumpriram. Só um genuíno arrependimento nacional poderia ajudar.
E agora? O desespero chegou a tal ponto que alguns direitistas chegaram a recorrer ao Obama. De ameaça socialista para os EUA, Obama passou para ‘solução’ contra o governo socialista do Brasil! O mesmo desespero político, que deixou cegos os luteranos da Alemanha e os judeus da Rússia, cegou muitos brasileiros.
Com documentos que o governo de Obama entregou ao governo de Dilma, a Comissão Nacional da ‘Verdade’ pôde concluir com significativa rapidez seus ‘trabalhos,’ incriminando os militares e inocentando os criminosos comunistas.
Não havia esperança política em Obama. Só um genuíno arrependimento nacional poderia ajudar.
Os militares poderiam ser a única solução? É inegável a importância deles na década de 1960 salvando o Brasil de uma ameaça comunista. Mas, excetuando esse papel fundamental, eles não representaram em outros aspectos um governo ideal. Em 1979, no governo militar de Ernesto Geisel, o Brasil abriu as portas para uma representação oficial da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) em Brasília. Foi a primeira vez em sua história que o Brasil deu apoio ao terrorismo islâmico, um ato que deveria chocar todo brasileiro decente.
O Brasil sob governo militar tem também um histórico de votações hostis a Israel na ONU. O motivo é simples: a indústria militar brasileira tinha um mercado próspero em países muçulmanos do Oriente Médio. O Brasil fornecia material bélico para as guerras e lutas islâmicas daquela região. Para agradar a esses clientes instáveis e raivosos, os militares brasileiros precisavam desagradar Israel, inclusive permitindo em Brasília um escritório da OLP, organização terrorista muçulmana responsável pelo massacre de muitos homens, mulheres e crianças de Israel.
Podemos então louvar os militares por terem livrado o Brasil da ameaça comunista. Mas no que eles erraram contra os judeus, eles não merecem nenhum louvor.
Mesmo assim, desesperados, muitos brasileiros preferem uma solução militar. Outros, no mesmo desespero, apelam para o socialismo engomadinho ou verde ou qualquer outra coisa que lhes sirva de tábua de salvação.
Qual é então a solução para o desespero político de milhões de brasileiros?
Pergunte aos judeus da Rússia, que fizeram sua solução política contra as perseguições antijudaicas: A União Soviética.
Pergunte aos luteranos e católicos da Alemanha, que fizeram sua solução política contra a ameaça comunista soviética e a ‘ameaça’ judaica: Adolf Hitler.
O desespero político pode levar a soluções políticas que resultam em tragédias. Provas históricas não faltam.
Mas o arrependimento traz a visitação de Deus.
Só um genuíno arrependimento nacional pode abrir o Brasil para o Deus que salva em todas as áreas — inclusive política.
Leitura recomendada: